• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Trabalhadores nos Correios falam em greve. TST consegue extensão do acordo

Ministro tenta intermediar negociações, mas entendimento ainda parece distante. Empresa ofereceu 0,8% de reajuste

Publicado: 02 Agosto, 2019 - 11h58 | Última modificação: 02 Agosto, 2019 - 12h04

Escrito por: Rede Brasil Atual

O CORREIO DIGITAL
notice

Com dificuldade de avanço nas negociações entre sindicalistas e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, o vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Renato de Lacerda Paiva, propôs em audiência ontem (31) a prorrogação por um mês do acordo coletivo, até o próximo dia 31. Simultaneamente, ele pediu que os trabalhadores suspendam a greve programada para começar nesta quinta-feira (1º, data-base da categoria). A Fentect, uma das federações que representam os empregados, afirmou que os Correios mostram desinteresse em um acordo e “empurraram” a negociação para o TST. A entidade defende que os funcionários da empresa se mantenham em “estado de greve”.

“O discurso de privatização defendido pelo Governo e colocado em prática gradativamente (inclusive com os ataques aos direitos dos ecetistas) também é produzido a partir da Campanha Salarial jogando a opinião pública contra os trabalhadores e espalhando informações falsas a respeito do serviços prestados pelas empresas estatais”, afirma a Fentect. A federação defende rejeição de proposta já apresentada – que incluiu reajuste de 0,8% – e mobilização “para pressionar por uma proposta que verdadeiramente atenda os anseios da categoria”.

Essa também é a orientação da Findect, federação interestadual: reprovação da proposta da ECT e aprovação do “estado de greve”. Novas assembleias deverão ser realizadas na próxima quarta-feira (7).

Um dos principais pontos de impasse está no plano de saúde extensivo aos pais dos empregados. A proposta do TST prevê manutenção do plano, até o dia 31, para os pais que estejam em tratamento, além de atendimentos de urgência.

Em nota, a ECT afirma que “Correios e representações sindicais mantêm as negociações para assinatura do acordo coletivo da categoria, que continuam sendo mediadas pelo TST”. A empresa diz que todos os serviços “estão sendo prestados normalmente”, informando sobre os canais oficiais de informação, pela internet (http://apps2.correios.com.br/faleconosco/app/index.php) ou pelo telefone 0800 725 0100.