• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Trabalhadores elegem novos coordenadores para a gestão das subsedes da CUT-SP

Eleição dos dirigentes é desdobramento do 15º Congresso Estadual da CUT São Paulo (CECUT)

Publicado: 04 Março, 2020 - 18h11 | Última modificação: 06 Março, 2020 - 13h29

Escrito por: Rafael Silva e Vanessa Ramos - CUT São Paulo

Divulgação
notice

A Central Única dos Trabalhadores de São Paulo (CUT-SP) realizou em 2020 as plenárias de eleição dos coordenadores das subsedes da entidade, espalhadas por 19 regiões do estado paulista. 

Essas plenárias foram um desdobramento do 15º Congresso Estadual da CUT São Paulo (CECUT), realizado em outubro de 2019. Nos dias 28 e 29 de fevereiro, os novos coordenadores foram apresentados durante o planejamento anual da CUT-SP, na Escola Nacional Florestan Fernandes, em Guararema (SP). Em março, eles levam às regiões os encaminhamentos das ações aprovadas. 

As subsedes funcionam como espaços de representação da CUT-SP divididas por regiões, que contemplam a capital, Grande São Paulo, litoral e interior, de forma a garantir a aproximação da entidade com os sindicatos, movimentos sociais e os trabalhadores em todo o estado. Os coordenadores têm a missão de facilitar essa aproximação, representar a CUT em atividades, assegurando a política da entidade, e colaborar na construção de atos e ações no local.

“Fizemos as eleições dos coordenadores da maneira definida tanto no Congresso como na Executiva da CUT-SP, de forma que eles fossem escolhidos pelos sindicatos da região, pois assim é possível enraizar a CUT no estado todo. Temos 19 subsedes que possuem uma importância tremenda na luta contra o desmonte do estado, a luta em defesa dos direitos da população e da classe trabalhadora. As subsedes, os coordenadores e a coordenação têm um papel muito importante em organizar a luta em cada região onde estão presentes”, explica o secretário-geral da entidade, o metalúrgico João Cayres.

Foram eleitos os dirigentes para as subsedes: do ABC o químico Milton Nunes de Brito (Tijolo); para a região da Baixada Santista, Carlos Riesco, do ramo da educação; Agenor Soares, do ramo urbanitário, para Campinas; Douglas Yamagata, do ramo financeiro, para Jundiaí; Marcelo Borges, do ramo financeiro, para Mogi das Cruzes; Cezar Augusto Macedo, do funcionalismo público, para Ourinhos; Paulo Roberto Índio do Brasil, do funcionalismo público, para Presidente Prudente; Edson Carlos Fedelino, da seguridade social, para Ribeirão Preto; Amarildo Pessoa de Araújo, do ramo da educação, para São José do Rio Preto; e Antônio Sérgio Silvana de Moraes, do ramo do transporte, para a subsede de Sorocaba e região.

Foram reeleitos os dirigentes Valdir Fernandes (Tafarel), bancário, para a subsede da região de Osasco; Cleide Maria de Jesus, do ramos da educação, para Araçatuba; José Itamar Tavares Calado, do ramo papeleiro/químico, para Bauru; Marcos Meira da Rocha, da seguridade social, para Guarulhos; Ednaldo Henrique Ferreira, metalúrgico, para São Carlos; Solange Aparecida Benedeti Penha, da educação, em Itapeva; José Justino Dezidério Filho (Zezinho), da agricultura familiar, para o Vale do Ribeira; Alessandro Neri, para Marília; e José Carlos de Souza, do ramo do transporte, para a subsede do Vale do Paraíba.

Foi eleita uma coordenação com representantes dos sindicatos de cada região e essa coordenação será formada por no mínimo quatro dirigentes.

História

As subsedes foram criadas em 1994, após aprovação no 7º Congresso Estadual da CUT-SP, realizado no mesmo ano. Na época, os delegados e as delegadas escolheram um novo formato de regionalização da CUT no estado, o que colocou fim às CUT’s regionais até então existentes, substituindo-as por subsedes. Isso garantiu a ampliação da representação CUTista em mais localidades.

Secretário de Administração e Finanças da CUT-SP, o químico Renato Zulato comemora o processo de escolha da nova gestão, conduzido de forma representativa. “Os coordenadores foram eleitos nas suas bases com bastante representação dos sindicatos locais. Agora que terminamos o planejamento da entidade, eles voltarão às suas regiões para compartilhar o que aprovamos, o que é uma etapa muito importante, pois sem as subsedes funcionando, boa parte do nosso planejamento não irá adiante. Por isso ele possuem um papel fundamental na organização da CUT”, afirma o dirigente.

Confira alguns dos coordenadores eleitos:

 

 

Arte: Marias Dias/CUT-SPArte: Marias Dias/CUT-SP