MENU

SP elege mandatos progressistas que levarão pautas sindicais e populares à Alesp

Paulistas elegem sindicalistas e candidatos comprometidos com agendas dos movimentos sociais

Publicado: 07 Outubro, 2022 - 18h09

Escrito por: Rafael Silva e Vanessa Ramos - CUT São Paulo

Governo do Estado de São Paulo
notice

O cenário político paulista de enfrentamentos e disputas complexas deve seguir seu curso em 2023. O Brasil vive uma das maiores eleições em termos de acirramento de ânimos e o estado de São Paulo tem enorme responsabilidade dada a sua população de 45,14 milhões de residentes, como mostram os números em pesquisa da Fundação Seade.

Na composição dos 94 deputados estaduais que tomarão posse em 2023, a maior bancada será a do Partido Liberal (PL), que atualmente abriga Jair Bolsonaro. A legenda irá passar dos atuais 17 deputados para 19 assentos.

Em outra direção, no entanto, houve também o aumento da bancada de esquerda e progressista na Assembleia paulista. O Partido dos Trabalhadores (PT) foi a legenda que mais conquistou votos e passará a ter 18 cadeiras, ante 10 do mandato atual.

Foram eleitos pelo PT sindicalistas com longa vivência política, como professora Bebel, que é presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e da direção da CUT Brasil, que recebeu 155.983 votos; Barba, ex-dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que obteve 108.071 votos; e Luiz Claudio Marcolino, vice-presidente da CUT-SP, ligado ao Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, que recebeu 70.473 mil votos. 

Além de Bebel e Barba, que foram reeleitos, também renovaram o mandato pelo mesmo partido Marcia Lia, Emídio de Souza, Dr. Jorge do Carmo, Enio Tatto, Luiz Fernando, Maurici e Paulo Fiorilo.

Já entre os novos eleitos pelo PT, ao lado de Marcolino assumem Thainara Faria, Reis e Rômulo Fernandes. O destaque ficou com Eduardo Suplicy, que foi o deputado estadual mais bem votado do Estado, com 807.015 votos.

Em seguida, aparece o PSOL, que elegeu 5 deputados (tem 4 atualmente). A bancada será composta por Carlos Giannazi, o mandato coletivo Bancada Feminista, Ediane Maria, Mônica do Movimento Pretas e Guilherme Cortez.

O PSB, que estava com um representante, passará a ter 3 no próximo ano: Andréa Werner, Caio França e Dr. Valdomiro Lopes.

Somam ainda a Rede, com Marina Helou, reeleita, o PCdoB, que também segue com Leci Brandão, e o PDT, com Marcio Nakashima.

Além de candidatos do campo progressista e popular eleitos, em consonância com o cenário nacional, o PSDB mingou no estado de São Paulo – um dos últimos redutos de força do partido. Além de perder o governo após 28 anos de gestão, reduzirá os assentos de 13 para 9 a partir do ano que vem. Outros eleitos são União Brasil (8 deputados), Republicanos (8), MDB (4), PSD (4), Podemos (4), Cidadania (3), PP (3), PSC (2), Novo (1) e Solidariedade (1).

No cômputo geral, o embate, no entanto, segue desequilibrado entre o campo progressista e o conservador. 

Em poder de altos recursos financeiros e da máquina pública, representantes da direita seguem sendo maioria na casa, o que vai exigir mobilização contínua da classe trabalhadora para impedir que projetos do atraso sejam aprovados, avalia a presidenta da CUT-SP, Telma Victor. 

“Exigimos políticas públicas que criem oportunidades para diferentes segmentos, que ampliem empregos, garantam a industrialização e a valorização do serviço público e dos servidores e servidoras. Precisamos fortalecer as empresas públicas em nosso estado, assim como aprofundar nossas discussões sobre segurança pública, educação e saúde, especialmente em um momento de pós-pandemia”, afirma a dirigente. 

Congresso Nacional 

Na votação para deputado federal, o PL alcançou 17 das 70 vagas em São Paulo para a Câmara dos Deputados. 

O PT representou a segunda maior bancada do estado, com 11 vagas. Foram eleitos pelo partido Rui Falcão, Kiko Celeguim, Jilmar Tatto, Luiz Marinho, Nilto Tatto, Carlos Zarattini, Arlindo Chinaglia, Alexandre Padilha, Alencar Santana, Juliana Cardoso e Paulo Teixeira.

O candidato que recebeu mais votos como deputado federal por São Paulo foi Guilherme Boulos (Psol), com expressivo 1.001.472 de votos. 

Pelo Psol, além de Boulus, Luiza Erundina e Sâmia Bomfim, foram eleitas a representante indígena Sônia Guajajara e a vereadora de São Paulo Erika Hilton, uma das duas primeiras mulheres transgêneros escolhidas para ocupar a Câmara federal.

Haddad x Tarcísio

O cenário da gestão paulista só ficará completo, no entanto, após as eleições do segundo turno, em 30 de outubro, quando a população irá às urnas decidir o próximo governador do estado. Passaram para a nova fase da disputa eleitoral o candidato Fernando Haddad (PT) e Tarcísio de Freitas (Republicanos).

Considerando os dois candidatos que disputam o segundo turno em São Paulo, a coligação de Haddad somaria representantes dos partidos PT, PSB, PSOL, Rede, PCdoB, PV, Agir e, agora, a adesão do PDT e do Solidariedade.

Já a coligação em torno de Tarcísio tem Republicanos, PL, PSD, PTB, PSC, PMN e, agora, a adesão de MDB, União Brasil e Novo.

Confira a lista completa dos 94 deputados eleitos e os votos que tiveram em SP, com base em informações do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP):

  1. Eduardo Suplicy (PT) - 807.015 votos
  2. Carlos Giannazi (PSOL) - 276.811 votos
  3. Paula Da Bancada Feminista (PSOL) - 259.771 votos
  4. Bruno Zambelli  (PL) - 235.305 votos
  5. Major Mecca (PL) - 224.462 votos
  6. Tomé Abduch (Republicanos) - 221.656 votos
  7. André Do Prado (PL) - 216.268 votos
  8. Tenente Coimbra (PL) - 209.705 votos
  9. Delegado Olim (Progressisas) - 201.348 votos
  10. Ana Carolina Serra (Cidadania) - 198.698 votos
  11. Milton Leite Filho (União Brasil) - 198.429 votos
  12. Gil Diniz (PL) - 196.215 votos
  13. Bruna Furlan (PSDB) - 195.436 votos
  14. Capitão Conte Lopes (PL) - 192.454 votos
  15. Itamar Borges (MDB) - 183.480 votos
  16. Marcos Damasio (PL) - 183.219 votos
  17. Carlos Cezar (PL) - 180.690 votos
  18. Carla Morando (PSDB) - 177.773 votos
  19. Jorge Wilson (Republicanos) - 177.614 votos
  20. Ediane Maria (PSOL) - 175.617 votos
  21. Marta Costa (PSD) - 170.541 votos
  22. Emídio De Souza (PT) - 157.834 votos
  23. Professora Bebel (PT) - 155.983 votos
  24. Guto Zacarias (União Brasil) - 152.481 votos
  25. Gerson Pessoa (Podemos) - 143.704 votos
  26. Enio Tatto (PT) - 142.785 votos
  27. Luiz Fernando (PT) - 141.017 votos
  28. Rogério Nogueira (PSDB) - 139.756 votos
  29. Oseias De Madureira (PSD) - 137.205 votos
  30. Valeria Bolsonaro (PL) - 131.557 votos
  31. Lucas Bove (PL) - 130.451 votos
  32. Edmir Chedid (União Brasil) - 129.097 votos
  33. Thiago Auricchio (PL) - 123.483 votos
  34. Vinicius Camarinha (PSDB) - 123.316 votos
  35. Maurici (PT) - 121.455 votos
  36. Rafael Silva (PSD) - 118.182 votos
  37. Paulo Fiorilo (PT) - 110.251 votos
  38. Reis (PT) - 108.726 votos
  39. Marcia Lia (PT) - 108.587 votos
  40. Barba (PT) - 108.071 votos
  41. Monica do Movimento Pretas (PSOL) - 106.781 votos
  42. Carlão Pignatari (PSDB) - 105.245 votos
  43. Caio França (PSB)- 105.173 votos
  44. Sebastião Santos (Republicanos) - 104.374 votos
  45. Altair Moraes (Republicanos) - 98.515 votos
  46. Rafael Saraiva (União Brasil) - 98.070 votos
  47. Gilmaci Santos (Republicanos) - 96.361 votos
  48. Agente Federal Danilo Balas (PL) - 94.552 votos
  49. Rui Alves (Republicanos) - 91.717 votos
  50. Thainara Faria (PT) - 91.388 votos
  51. Leo Siqueira (Novo) - 90.688 votos
  52. Ricardo Madalena (PL) - 90.630 votos
  53. Leci Brandão (PCdoB) - 90.496 votos
  54. Felipe Franco (União Brasil) - 90.440 votos
  55. Analice Fernandes (PSDB) - 90.135 votos
  56. Andréa Werner (PSB) - 88.820 votos
  57. Donato (PT) - 88.022 votos
  58. Barros Munhoz (PSDB) - 86.372 votos
  59. Paulo Mansur (PL) - 86.201 votos
  60. Marina Helou (Rede) - 85.517 votos
  61. Marcio Nakashima (PDT) - 85.195 votos
  62. Capitão Telhada (PP) - 83.438 votos
  63. Edna Macedo (Republicanos) - 82.932 votos
  64. Caruso (MDB) - 82.209 votos
  65. Leo Oliveira (MDB) - 82.145 votos
  66. Dr. Jorge do Carmo (PT) - 82.054 votos
  67. Solange Freitas (União Brasil) - 81.870 votos
  68. Daniel Soares (União Brasil)- 81.753 votos
  69. Dani Alonso (PL)- 80.337 votos
  70. Ana Perugini (PT) - 79.061 votos
  71. Mauro Bragato (PSDB) - 78.142 votos
  72. Helinho Zanatta (PSC)- 77.550 votos
  73. Rafa Zimbaldi (Cidadania) - 76.910 votos
  74. Rogério Santos (MDB)- 76.602 votos
  75. Rodrigo Moraes (PL) - 75.094 votos
  76. Rômulo Fernandes (PT) - 75.033 votos
  77. Alex de Madureira (PL) - 74.340 votos
  78. Luiz Claudio Marcolino (PT) - 70.487 votos
  79. Delegada Graciela (PL) - 68.955 votos
  80. Letícia Aguiar (PP) - 68.556 votos
  81. Maria Lucia Amary (PSDB)- 66.956 votos
  82. Fabiana B. (PL) - 65.497 votos
  83. Beth Sahão (PT) - 65.407 votos
  84. Ricardo França (Podemos) -64.175 votos
  85. Paulo Corrêa Jr (PSD) - 62.239 votos
  86. Simão Pedro (PT) - 59.785 votos
  87. Clarice Ganem (Podemos) - 59.342 votos
  88. Edson Giriboni (União Brasil) - 59.087 votos
  89. Atila Jacomussi (Solidariedade) - 58.707 votos
  90. Vitão do cachorrão (Republicanos) - 56.729 votos
  91. Dr Eduardo Nóbrega (Podemos) - 53.607 votos
  92. Dr Valdomiro Lopes (PSB) - 50.824 votos
  93. Dr. Elton (PSC) - 46.042 votos
  94. Guilherme Cortez (PSOL) - 45.094 votos