• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Sindicato negocia com BASF e trabalhadores entrarão em férias coletivas

Medida valerá para os trabalhadores de operação e parte do administrativo na área de negócios EC – Tintas e Vernizes, localidade Demarchi

Publicado: 24 Março, 2020 - 18h33 | Última modificação: 24 Março, 2020 - 18h42

Escrito por: Sindicato dos Químicos do ABC

reprodução
notice

Seguindo a linha de procurar empresas e negociar a segurança do trabalhador e da trabalhadora química diante da pandemia do Coronavírus, o Sindicato dos Químicos do ABC acaba de conquistar uma vitória muito importante: a implementação de férias coletivas para os trabalhadores(as) de operação e parte do administrativo na área de negócios EC – Tintas e Vernizes, localidade Demarchi. A Comissão de Fábrica participou das negociações.

É a primeira empresa química de Tintas do Grande ABC a aceitar a negociação do acordo, o que reforça o compromisso de boas práticas da multinacional alemã em relação aos seus empregados. Empregos, salários e benefícios serão mantidos e a saúde dos trabalhadores(as) será preservada neste momento de crise.

Para uma parada segura da produção, haverá diferentes datas de parada, que iniciarão entre os dias 27 e 30 de março. O acordo com o Sindicato garante, se for necessário, que os trabalhadores(as) fiquem até 41 dias em casa, descontando somente 30 dias de férias. Se isso não for suficiente, novas negociações serão realizadas.

“Desde o início da disseminação a empresa havia adotado medidas para resguardar a saúde dos trabalhadores e trabalhadoras, mas após muito debate, nós do Sindicato e da Comissão de Fábrica conseguimos convencer a BASF que o melhor caminho era colocar em prática o discurso de Responsabilidade Social e de respeito à vida”, comenta o secretário de administração do Sindicato e trabalhador na BASF Demarchi, Fábio Lins.

“Foi difícil, mas conquistamos a maior vitória: o direto de preservação da nossa vida e da nossa família! Vamos juntos superar este desafio. Mesmo com o desgoverno do Bolsonaro que tentou suspender por 4 meses nossos salários, venceremos!”, pontua o diretor do SIndicato e coordenador da Comissão de Fábrica BASF Demarchi, Iran Nunes Soares.