• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Seleção feminina busca título inédito na Copa do Mundo da França

Competição começa nesta sexta-feira (7), com 24 equipes participantes. Confira a tabela de jogos do Brasil

Publicado: 07 Junho, 2019 - 12h02 | Última modificação: 07 Junho, 2019 - 12h13

Escrito por: Rede Brasil Atual

Reprodução
notice

A oitava edição Copa do Mundo de Futebol Feminino na França começa nesta sexta-feira (7). Contra outras 23 nações, a seleção brasileira, comandada por Marta e Cristiane, busca seu título inédito na competição. A abertura do evento terá as anfitriãs contra a Coreia do Sul, às 16h, enquanto o Brasil faz sua estreia no domingo (9), contra a Jamaica, em Grenoble.

A seleção brasileira está no grupo C e ainda terá pela frente a Austrália, na quinta-feira (13), às 13h, em Montpellier, e a Itália, na terça-feira (18), às 16h, na cidade de Valenciennes. Novamente, Marta é a esperança do time canarinho. Maior artilheira de todas as Copas, com 15 gols, a Rainha do Futebol disputará pela quarta vez o torneio.

O máximo que a seleção brasileira feminina alcançou foi o vice-campeonato, em 2007, na China, quando perdeu a decisão para a Alemanha por 2 a 0. O Brasil conquistou também um terceiro lugar em 1999, na edição realizada nos Estados Unidos.

 

A Copa do Mundo

O torneio foi criado em 1991 e, de lá para cá, quatro seleções conquistaram as sete edições realizadas: Estados Unidos (1991, 1995 e 2015), Alemanha (2003 e 2007), Noruega (1995) e Japão (2011).

Ao todo, 11 cidades sediarão as partidas deste ano. O Mundial vai até 7 de julho, com a grande final sendo disputada em Lyon.  A competição conta com seis grupos de quatro times cada. A decisão, que será realizada em Lyon, será no dia 7 de julho, no mesmo dia da final da Copa América masculina.

A Copa da França bateu o recorde de venda de ingressos do torneio: mais de 720 mil entradas vendidas até abril.  Não há mais bilhetes para a abertura, as duas semifinais e a final.

Neste ano, houve também o aumento do valor premiação. Em outubro de 2018, a Fifa anunciou que irá pagar US$ 30 milhões às seleções. Entretanto, o valor representa 1% das reservas dos cofres da federação e menos de 10% em relação aos US$ 400 milhões que as 32 seleções do masculino receberam em 2018, na Copa da Rússia.

Curiosidades

Uma das novidades para a edição da Copa do Mundo da França é a implementação do árbitro de vídeo (VAR). Será a primeira vez que o VAR será utilizado na competição.

Um recorde também deve ser quebrado nesta competição e na história do esporte. A meio-campista brasileira Formiga será a primeira atleta do futebol a jogar sete Copas consecutivas, entre homens e mulheres. Aos 41 anos, a jogadora divide o recorde de seis participações no torneio com a japonesa Homare Sawa. Entre os homens, três jogadores disputaram cinco Copas do Mundo: os mexicanos Rafael Márquez e António Carbajal e o alemão Lothar Matthaeus.

A seleção brasileira terá todos os seus jogos transmitidos na TV aberta, por Globo e Band. Para quem quiser assistir com a galera, dois lugares na cidade de São Paulo exibirão todos os jogos da Copa do Mundo. O Museu do Futebol, localizado no Estádio do Pacaembu, contará um um telão e arquibancada para cerca de 100 pessoas. Já o Sesc Pompeia, localizado na zona oeste da capital, transmitirá na área de convivência do local. 

Destaques

Além de Marta e Cristiane, a seleção brasileira conta ainda com a craque do Barcelona, Andressa Alves.  A atacante Debinha, que atua no North Carolina Courage-EUA, também está entre as convocadas. Ela é uma das dez maiores artilheiras da seleção feminina, com 15 gols pela equipe. 

Porém, outros países também levarão grandes talentos. A Austrália, adversária do Brasil na fase de grupos, terá Sam Kerr para comandar o ataque. A jogadora de 25 anos é a artilheira da National Women’s Soccer League (NWSL). A australiana é a atleta de futebol, entre homens e mulheres, que mais vende camisas no país. 

A seleção dos Estados Unidos, maior campeã do torneio, contará novamente com a atacante Alex Morgan. Com um ouro olímpico na bagagem (2008) e um título mundial pela seleção (2015), a jogadora foi a melhor eleita a melhor do seu país e da Concacaf em 2018. Ela possui quase 90 gols atuando pela equipe nacional.

A meio-campista Dzsenifer Marozsan é outro destaque da competição. Craque da seleção alemã, Marozsan já foi considerada duas vezes a melhor jogadora de seu país e conquistou, em maio, o título da Champions League com o Lyon. No ano passado, ela ficou em segundo lugar na disputa de melhor jogadora do mundo, ficando atrás de Marta.