• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Residentes do Hospital São Paulo estão em greve

Falta de insumos básicos, de medicamentos e de exames essenciais desde o final de 2020 motivou a paralisação

Publicado: 10 Fevereiro, 2021 - 14h26 | Última modificação: 10 Fevereiro, 2021 - 14h29

Escrito por: Sindicato dos Médicos de São Paulo

Reprodução
notice

Os médicos residentes da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) que atuam na clínica médica do Hospital São Paulo (HSP) estão em greve desde terça, dia 9 de fevereiro, por não terem condições mínimas de atenderem à população. Faltam medicamentos, insumos básicos e exames. Os residentes das demais especialidades do hospital decidiram em assembleia na noite de segunda, dia 8, uma greve por pelo menos dez dias. São cerca de 100 médicos da clínica médica e 200 das demais especialidades. Será mantida 30% da equipe para garantir os atendimentos de urgência e emergência.

De acordo com Augusto Ribeiro, diretor do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) que está acompanhando a situação, é um absurdo que em um dos três principais hospitais de alta complexidade da cidade de São Paulo atue desde o final de 2020 com falta de álcool, luvas de procedimento, seringa, sonda e gaze. “Exames laboratoriais simples como hemograma e sorologia também estão em falta, sem contar medicamentos como Omeprazol e Buscopan Composto. A população não pode pagar a conta da má administração dos recursos públicos. Os residentes entram em greve como uma luta por dignidade aos seus pacientes”, explica Ribeiro.

Confira a lista de reivindicações dos residentes:

1 – Reposição de insumos básicos com garantia de regularidade de estoque e distribuição adequada destes pelos próximos meses.

2 – Plano de contingência para resolução da crise de desabastecimento no curto prazo, assim como um plano no médio e longo prazo para que crise semelhante não ocorra novamente.

3 – Maior aporte de recursos municipais, estaduais e federais para Hospital São Paulo, que sofre com problemas de subfinanciamento.

4 – Que não sejam reduzidas as vagas para residência médica nos próximos anos.

Lista de itens em falta nos setores de atendimento do HSP em 8 de fevereiro de 2021:

Medicamentos em geral: Omeprazol EV, pantoprazol EV e VO, sonda nasoenteral, ceftriaxona, piperacilina + tazobactam, nitroglicerina, nitroprusseto de sódio, vasopressina, fentanil, metoclopramida EV, bromoprida EV e VO, ondansetrona EV e VO, dimenidrato EV e VO, escopolamina + dipirona (Buscopan composto), hidrocortisona, heparina sódica, enoxaparina, lorazepam, Diazepam, clonazepam, bromocriptina, filgrastim, haloperidol, NaCl 20%, difenidramina, hipromelose, Protovit, simeticona, isoflurano, óxido de zinco, Dersani, lidocaína com epinefrina, lidocaína gel, PEG, colagenase, papaína e AGE.

Quimioterápicos: etoposideo, docetaxel, paclitaxel, 5FU, gencitabina, exemestano, dacarbazina e ifosfamida.

Exames laboratoriais: hemograma; amilase; lipase; sorologia para HIV, Hepatite B e Hepatite C, tubo azul, tubo seco e tubo roxo.

Outros: Germi Rio, álcool, luva procedimento, luva estéril diversos tamanhos, luva plástica para toque, cateter central de inserção periférica, gaze, compressa, seringa de 60ml com bico, sonda nasoenteral, sonda uretral vários números, extensor fotossensível, cateter umbilical, equipo para infusão endovenosa, equipo para dieta, papel toalha, malha tubular e avental descartável 30g.

Manutenção: reparos de equipamentos para realização de anatomopatológico, que implica em perda de material biológico.