MENU

Ramo Químico de SP garante reajuste de 11,08% e injeção de R$ 1,78 bi na economia

Com a reposição integral da inflação, trabalhadoras e trabalhadores não terão perdas salariais

Publicado: 11 Novembro, 2021 - 11h42 | Última modificação: 11 Novembro, 2021 - 12h16

Escrito por: CNQ - Confederação Nacional do Ramo Químico

Reprodução
notice

As companheiras e os companheiros do Ramo Químico do estado de São Paulo garantiram a recomposição integral das perdas para a inflação no último ano (de 1ª de novembro de 2020 a 31 de outubro de 2021), com reajuste salarial e de outras cláusulas econômicas pelo índice de 11,08%. Além de manter direitos a trabalhadoras e trabalhadores, o Acordo Coletivo assinado nesta quarta-feira (10/11), resultado da Campanha Salarial 2021, injetará R$ 1,78 bilhão na economia ao longo do próximo ano.

A conquista foi obtida após ampla mobilização da categoria e pelas negociações lideradas pela FETQUIM, filiada à CNQ-CUT, e pela FEQUIMFAR/Força Sindical, com pauta unificada, que fortalece a categoria frente os patrões.

Com o reajuste de 11,08%, o piso salarial dos químicos paulistas ficará em 1.857,37 para empresas com até 49 empregados, além do PLR de 1.080,00. Para que tenham 50 ou mais contratados, o valor é de R$ 1.905,24. Nesses casos, o PLR será de R$ 1.200,00. Para salários acima de R$ 9 mil, o reajuste foi fixado em R$ 997,20.

A reposição da inflação é uma vitória, que nem sempre é garantida pela classe trabalhadora, especialmente no contexto de aumento galopante de preços, decorrente do descontrole do governo federal sobre a economia.

Mesmo campanhas do Ramo Químico de São Paulo, como as de 2016 e de 2017, já resultaram em cenários menos favoráveis, por exemplo, com o parcelamento dos percentuais de reajustes salariais.

A campanha de 2021 garantiu também a renovação por mais dois anos de todas as cláusulas da Convenção Coletiva.

Mais renda, economia mais forte

Com impacto mensal de R$ 149 milhões e anual de R$ 1,78 bilhão na economia, o reajuste salarial conquistado pelos químicos de São Paulo, que impactará na renda de 289 mil trabalhadoras e trabalhadores do ramo, conforme tabela abaixo.

Para chegar a esses números, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) utilizou dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED).

"É um montante relevante de recursos. Os valores vão direto às mãos dos trabalhadores que, por sua vez, irão consumir e gerar empregos indiretos. Se há um caminho de desenvolvimento econômico, é via aumento do consumo da classe trabalhadora. Por isso a importância deste acordo”, avalia o companheiro Douglas Ferreira, técnico do DIEESE.

Atividade Econômica

Número de Trabalhadores (as)

Adicional Anual

Abrasivos

11.806

R$ 54.542.622,30

Adubos e Fertilizantes

10.979

R$ 89.108.117,22

Defensivos Agrícolas

7.859

R$ 100.513.246,86

Fibras Artificiais e Sintéticas

1.738

R$ 8.185.936,94

Hig. Pess., Perf. e Cosméticos

25.409

R$ 145.510.332,89

Medicamentos de Uso Veterinário

7.657

R$ 69.958.791,25

Plásticos

145.570

R$ 645.351.862,55

Químicos para Fins Industriais

58.078

R$ 527.609.771,80

Reciclados Plásticos

3.390

R$ 10.956.317,02

Tintas e Vernizes

17.346

R$ 136.893.139,84

Total

289.832

R$ 1.788.630.138,67

Fonte: RAIS/CAGED

  

Elaboração: DIEESE

  

 

Notícia publicada no site da Confederação Nacional do Ramo Químico