• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Mês da Consciência Negra: Em Campinas, sindicatos e CUT promovem atividades

Calendário temático e exibição do documentário “Campada Maria” abrem mês de luta do movimento negro

Publicado: 04 Novembro, 2019 - 18h21 | Última modificação: 04 Novembro, 2019 - 18h32

Escrito por: Nice Bulhões, do Sinergia e com informações da CUT em Campinas

Divulgação
notice

Carvão! Preta! Olha como ela é feia! Pixaim! Burra! Blá…blá… blá… Racistas! Expressões, a maioria delas preconceituosa, fazem parte do desenho da estudante Noelly Martins Sampaio Cunha, da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Oziel Alves Pereira, de Campinas. As falas estão dentro de balões, nesta ordem sequencial, e que acompanham a uma sucessão de movimentos de uma mulher negra, que se senta no chão, chora e vai se recompondo até se levantar e começar a andar.

Reprodução do calendário temáticoReprodução do calendário temático

Resistência. Essa foi a resposta de Noelly à pergunta: Como você vê o racismo? A arte ganhou a estampa do mês de fevereiro do calendário do Coletivo de Combate ao Racismo da Subsede da CUT Campinas, que está em sua 9ª edição e que tem como tema a pergunta lançada à estudante. A entrega do calendário de mesa temático 2020 aconteceu no último dia 30, na CUT Campinas, e abriu as comemorações ao Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado no próximo dia 20.

Estudantes da Emef/Eja Oziel Alves Pereira, no Parque Oziel, participaram do projeto escolar “Africanidades/Informafricativo”, proposto pelo professor Wilson Queiroz. “Como você vê o racismo? A palavra de ordem e a atitude a tomar, no momento atual do Brasil, são as mesmas: resistência. Querem impor, a todo custo, a branquitude como parâmetro para a nossa sociedade, contrariando a multiplicidade de cores, raças e credos que a caracterizam”, diz um trecho do texto do professor lançado aos alunos.

O Coletivo adotou o tema com o objetivo de contribuir para o trabalho de conscientização e formação dos que lutam contra o racismo e toda e qualquer forma de preconceito. E buscou a visão de jovens negros quanto à essa questão.

A mesa de lançamento das atividades do Dia da Consciência Negra foi composta por Agenor Soares (diretor de Formação do Sindae Campinas e Região e coordenador dos Coletivos de Política Sindical e Saúde e Meio Ambiente da CUT Campinas), Regina Teodoro (diretora do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos de Campinas e Região e coordenadora do Coletivo de Combate ao Racismo da Subsede da CUT Campinas), Luiza Helena Xavier Owhoka (diretora do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Guarulhos e militante ativista do movimento negro) e Carlos Roberto de Oliveira (vereador do PT Campinas e presidente da Comissão Permanente de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania de Campinas). Confira no final da matéria a galeria de fotos do lançamento.

Documentário na programação

A próxima atividade dentro da programação é a exibição do documentário Campada Maria. Ela ocorrerá na sede do Sinergia CUT, na próxima quinta-feira (7), às 18h. O filme trata de um vilarejo no norte da Guiné-Bissau que decide reunir forças para viabilizar um sistema de irrigação mais eficiente para sua horta comunitária. Com o suporte do programa de cooperação científica entre o Brasil e os países da África, o PROÁFRICA, um grupo de pesquisadores brasileiros e guineenses ajudam a comunidade nesta empreitada.

No transcorrer deste processo, segundo a sinopse da película, o espectador descobrirá não só as potencialidades da pesquisa em torno das tecnologias de baixo impacto ambiental, mas as características de uma sociedade multiétnica e marcada pela tardia independência colonial. A direção é de Danilo Dias de Freitas, que após a exibição participará de um debate. Confira abaixo o convite feito por Freitas.

Marcha Zumbi dos Palmares

Como todos os anos, o Coletivo também participa da Marcha Zumbi dos Palmares, que se concentrará às 10h do próximo dia 20, na Estação Cultural Antônio da Costa Santos (antiga Estação Cultura), em Campinas. O slogan deste ano é “Vidas negras importam”.

Zumbi dos Palmares nasceu em 1655, no estado de Alagoas. Ícone da resistência negra à escravidão, ele liderou o Quilombo dos Palmares, comunidade livre formada por escravos fugitivos das fazendas no Brasil Colonial. Localizado na região da Serra da Barriga, atualmente integra o município alagoano de União dos Palmares. Assista abaixo ao vídeo sobre Zumbi produzido pelo Canal Futura.

Sexta Cultural

No próximo dia 29, a atividade acontece no Sindicato da Construção Civil de Campinas em parceria com o Coletivo. Será a Sexta Cultural com Nil Sena e Yjexalá Sopraelas, às 18h. O auditório do Sindicato fica na Rua Barão de Jaguara, 704, no Centro.