• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Lideranças defendem homenagem a Marisa Letícia com nome de viaduto em SP

Inauguração popular foi realizada no sábado, data de um ano da morte da ex-primeira dama

Publicado: 05 Fevereiro, 2018 - 10h45

Escrito por: Redação RBA

Divlugação
notice

Os líderes políticos que participaram no fim da manhã de sábado (3) da inauguração popular do viaduto Marisa Letícia, no M’Boi Mirim, zona sul de São Paulo, defenderam o direito da homenagem à ex-primeira dama ser prestada com a denominação da obra, diante do ato do prefeito de São Paulo, João Doria, que há um mês cancelou a inauguração oficial.

“O prefeito de São Paulo, o coxinha que quer ser governador, proibiu a inauguração oficial desse viaduto”, afirmou o ex-presidente nacional do PT, Rui Falcão. Depois de dizer que Doria revelou sua “pequenez” com o cancelamento, Falcão lembrou que no dia 1º de fevereiro o prefeito foi proibido de continuar usando o selo “Cidade Linda” na divulgação dos atos da prefeitura de São Paulo, “porque ele estava usando com finalidade eleitoral”.

O viaduto, localizado na Avenida Luiz Gushiken com Estrada do M’Boi Mirim, foi construído durante a gestão de Fernando Haddad como prefeito. A homenagem à ex-primeira dama Marisa Letícia, morta há exato um ano, foi objeto de intensa disputa política, mas a Câmara Municipal aprovou a denominação do viaduto.

O vereador Antonio Donato (PT) afirmou que o ódio que divide o país hoje, “criou esse clima, principalmente pelos meios de comunicação, em que uma homenagem é transformada em questão política”. O viaduto fica em uma região em que a gestão Haddad fez grandes intervenções de urbanização na área, removendo famílias que habitavam áreas de risco às margens de um córrego. “Aqui era um córrego com enchentes e foi o governo do PT que transformou esta região; temos o direito de homenagear D. Marisa”, disse.

O ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha afirmou que Marisa Letícia foi morta "pela intolerância que tomou conta do país". Padilha lembrou que Marisa sofria de hipertensão e durante anos fez tratamento sem ter maiores problemas. "Mas chegou uma hora em que a intolerância começou a perseguir Lula e a mulher", afirmou.

carregando