• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Justiça absolve Haddad e confirma que não existia indústria da multa

Ex-prefeito tinha sido acusado de usar o aumento de radares para ampliar a arrecadação na capital paulista

Publicado: 08 Agosto, 2019 - 11h55 | Última modificação: 08 Agosto, 2019 - 11h57

Escrito por: Rede Brasil Atual

LEON RODRIGUES / SECOM PMSP
notice

A 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo absolveu o ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad da acusação de aumentar o número de radares na cidade para ampliar arrecadação com as multas. O relator do caso, desembargador Aroldo Viotti, confirmou o que especialistas em segurança no trânsito repetem há anos: não existe indústria da multa. A decisão refirmou o que a juíza de primeira instância já havia afirmado, já que não há irregularidade na ampliação da fiscalização por radares.

O autor da ação, promotor Marcelo Milani, queria que Haddad e os ex-secretários Jilmar Tatto, (Transportes), Rogério Ceron e Marcos Cruz (ambos de Finanças) fossem condenados por improbidade administrativa e tivessem de ressarcir o município em R$ 800 milhões. Ele alegou que a aplicação de multas e a ampliação do número de radares na cidade tinha objetivo arrecadatório e não educativo: a chamada indústria da multa. O Ministério Público questionou ainda a destinação dos valores pagos das multas para a construção de ciclovias, terminais de ônibus e financiamento da estrutura da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Apesar de ficar provada a inocência do ex-prefeito, a acusação sobre indústria da multa teve impacto político na eleição de 2016, já que o tema foi largamente utilizado pelos adversários de Haddad. A gestão do petista recebeu reconhecimento internacional por suas ações de segurança no trânsito, como redução de velocidade, ampliação da fiscalização e implementação de ciclofaixas e faixas exclusivas de ônibus.

Os advogados de defesa de Haddad, Igor Tamasauskas e Otávio Mazieiro, disseram ao site Consultor Jurídico que “não houve demonstração da premissa de indústria das multas, considerando que as estatísticas oficiais indicam que mais de 70% dos veículos que transitaram em São Paulo, em 2014, não foram multados”. Entre 2013 e 2016, a prefeitura aumentou de 500 para aproximadamente 900 radares em toda a cidade. As multas cresceram quase 30%, mas concentrada em aproximadamente 23% dos veículos.