MENU

Jornal da Consciência Negra da CUT-SP é lançado nas ruas e nas redes

Impactos da pandemia, educação e violência estão entre os temas trazidos aos leitores

Publicado: 18 Novembro, 2021 - 20h24

Escrito por: Vanessa Ramos - CUT São Paulo

Maria Dias/CUT-SP
notice

“Basta de racismo no trabalho e na vida”. Este é o lema do jornal da CUT-SP do Mês da Consciência Negra 2021, disponível para baixar e ser divulgado nas redes sociais.

Os sindicatos também distribuem o material aos trabalhadores e trabalhadoras de São Paulo nas ruas durante o mês de novembro para colaborar com as discussões e ações de combate ao racismo.

Neste ano, o conteúdo convida os leitores a uma reflexão sobre os diversos temas que envolvem o racismo estrutural no país.

Sobre a pandemia, a publicação apresenta pesquisas que mostram que a população negra foi a que mais morreu pelo novo coronavírus e a que teve maior dificuldade no acesso à vacina. Da mesma forma, foi a mais atingida pela piora do desemprego e suas consequências.

Mas não é só isso. O jornal destaca que o povo negro representa 78,9% das mortes no país ocasionadas por policiais no Brasil, segundo o Atlas da Violência 2021, estudo elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. E faz uma reflexão sobre esses dados.

De geração em geração

Ao longo de quatro páginas, os leitores podem também acompanhar outros temas, como os 18 anos da Lei 10.639, de 2003, que tornou obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas, públicas ou particulares, no ensino fundamental e médio.

Outra matéria fala ainda que os negros acessam mais as universidades, o que abre perspectivas ao futuro. Mudanças no ensino superior e na sociedade que só foram possíveis graças a políticas de ações afirmativas, como a Lei de Cotas nº 12.711, de 2012.

O jornal também traz uma página especial neste ano de crise pandêmica para falar sobre a superação de todo um processo de violência e de desigualdades que vêm de geração em geração de um povo que não perdeu a sua oralidade e os seus saberes.

De tal modo, comenta que os governos democráticos e populares, como os de Lula e de Dilma Rousseff, representaram avanços nas políticas de reparação histórica para que o povo negro pudesse se empoderar e ocupar espaços de saber e de poder.

Assim, em destaque, a CUT São Paulo traz nomes e fotos de inúmeras de representações negras que têm construído importantes trajetórias no Brasil, sejam famosas ou anônimas.

Clique aqui para baixar o material