• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

“É preciso pensar o Brasil que a gente quer em 2022”, diz Lula na plenária da CUT-SP

Abertura do evento contou com a fala do ex-presidente da República, de Fernando Haddad e de lideranças populares

Publicado: 27 Agosto, 2021 - 22h50 | Última modificação: 27 Agosto, 2021 - 23h39

Escrito por: Vanessa Ramos -CUT São Paulo

Divulgação
notice

 

Pela primeira vez nesses quase 37 anos de vida, a CUT São Paulo teve de se reinventar em suas ações frente a uma pandemia que já vitimou quase 580 mil trabalhadores e trabalhadoras. A 16° Plenária Estatutária da CUT-SP ‘João Felício’ começou nesta sexta-feira (27) e seguirá até sábado (28) em formato virtual.

A abertura da atividade contou com a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do professor, ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. Além das falas de dirigentes sindicais e lideranças de movimentos sociais.

“Temos uma crise sem precedentes na história do país, o governo não cuidou de forma responsável, ele tem culpa de parte das mais de [578] mil mortes, poderia ter evitado isso se tivesse feito o que a ciência mandou fazer, o que a inteligência mandou fazer”, afirmou Lula.

Ao vivo da cidade de Campinas (SP), onde realizou atividades políticas durante o dia, Haddad caracterizou como “tragédia” o que o país vive, destacando o fardo dos retrocessos aos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros.

CUT-SPCUT-SP
Professor Fernando Haddad ao vivo na abertura da plenária

“Sobretudo com a reforma trabalhista, com a reforma sindical e, agora, com a PEC 32 da reforma administrativa. São muitos retrocessos acontecendo num prazo de cinco anos. Levando o Brasil para uma situação que parece pré 1930 e, em alguns casos, pré 1988, porque já tem gente tão precarizada que o trabalho se assemelha a uma situação análoga à escravidão”, pontuou Haddad.

Governo na contramão

Durante abertura da plenária da CUT-SP, Lula criticou Bolsonaro pela ausência de discussões relacionadas a temas como desenvolvimento e investimentos necessários em áreas como educação, saúde, ciência e tecnologia. E lembrou que o governo opta, ao invés disso, por discussões frágeis como a do voto impresso.

“Ainda tem um ministro que diz que a universidade tem que ser para poucas pessoas e não para muitas pessoas.”.

Lula também comentou sobre a forma de o governo tratar a pandemia, o uso de máscaras e o isolamento social.

“[Bolsonaro] receitou remédio e montou uma verdadeira fábrica de corrupção que a gente está vendo agora na CPI”, se referindo à Comissão Parlamentar de Inquérito que discute a covid-19, iniciada no C

Para o ex-presidente da República, a eleição de 2022 será um momento oportuno de mudar o país. “A gente não vai mudar o Brasil só mudando o presidente, é preciso mudar a Câmara, é preciso mudar o Senado, é preciso votar em mais gente responsável com os trabalhadores”, disse.

Ao se referir ao movimento sindical, Lula enfatizou que “a CUT é uma peça extraordinária nesta máquina de transformação social que é o povo brasileiro”.

Veja também:

>> Resistência popular, unidade e mobilização foram destaque na plenária da CUT-SP

>> Lula fala às plenárias estatutárias da CUT-SP e CUT-RJ

>> Transmissão via Facebook: plenária da CUT-SP tem acessibilidade com o apoio de intérpretes de Libras