• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Direção da CUT São Paulo é eleita no 15º CECUT

A nova direção contempla os principais segmentos e ramos de atividade da classe trabalhadora

Publicado: 08 Novembro, 2019 - 22h57 | Última modificação: 09 Novembro, 2019 - 00h09

Escrito por: Rafael Silva, Vanessa Ramos e Vanessa Presse

Dino Santos/CUT-SP
notice

Os delegados e delegadas do 15º Congresso Estadual da CUT São Paulo (CECUT) “Lula Livre – por um estado de São Paulo com emprego, direitos, inclusão e sindicatos fortes” elegeram nesta sexta-feira (8) a direção que irá comandar a Central de 2019 a 2023. A chapa única, com respeito à paridade entre homens e mulheres, foi eleita por unanimidade e reelegeu o professor Douglas Izzo como presidente da entidade.

Por conta da liberdade do ex-presidente Lula também nesta sexta-feira, após fundamental atuação dos advogados e votação do Supremo Tribunal Federal (STF), os participantes do CECUT deliberaram a antecipação da eleição, com o intuito de compor o ato em São Bernardo do Campo, programado para este sábado (9).

“Tudo o que foi apresentado no balanço [durante o Congresso] só foi possível porque houve determinação e apoio de toda a base CUTista. Foram quatro anos diferenciados de luta política e de classe do nosso país. Não tenho dúvidas de que demos conta de fazer os enfrentamentos, de construir a luta na rua, a luta envolvendo o conjunto da classe trabalhadora. E isso só possível porque essa gestão soube dialogar e construir coletivamente a luta dos trabalhadores no estado de São Paulo. Foi uma gestão que em nenhum momento se furtou de construir com a base as greves gerais e grandes movimentos que ocorreram neste período”, afirmou Izzo.  

Roberto Parizotti/CUT-SPRoberto Parizotti/CUT-SP
Douglas Izzo conduzindo o processo de votação durante o Congresso

Secretário-geral da CUT São Paulo, João Cayres, destacou que o congresso marca um momento de resistência e de conquista do movimento sindical.

“A liberdade de Lula é símbolo de uma intensa luta que, ao lado muita mobilização em defesa dos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras, marcou a nossa gestão anterior e, certamente, marcará nossa próxima gestão. Temos muitos desafios pela frente diante do atual governo, mas agora a nossa luta fica ainda mais forte ao lado de Lula nas ruas”, disse.

Roberto Parizotti/CUT-SPRoberto Parizotti/CUT-SP
Secretário-geral da CUT-SP, João Cayres, coordenador do Congresso 

 

Da mesma forma, em analogia ao futebol, Izzo destacou que as mobilizações contam, a partir de agora, com o principal jogador em campo. “Nosso camisa 10 (Lula) sai do banco e entra no jogo para fortalecer os enfrentamentos aos ataques aos direitos”.

“Não é qualquer coisa construir uma chapa que, por trás dela, tem uma composição e uma política que aponta para o aprofundamento da luta por todo o estado de São Paulo. Temos também o desafio de fazer o enfrentamento à política de Bolsonaro, que ataca sindicatos, que apresenta uma proposta de reformas que significa destruir o Estado brasileiro, destrói os serviços públicos e aumenta a terceirização. Uma conjuntura que não é diferente em São Paulo, com o governo João Doria”, completou Izzo.  

Tanto Izzo como Cayres foram unânimes em reforçar que os próximos quatro anos serão de unidade e disposição de luta junto aos sindicatos e às bases.

Ao final do Congresso, curto e objetivo, os dirigentes da nova direção deliberaram a realização de uma plenária em fevereiro de 2020 para o planejamento da CUT no estado de São Paulo.

Confira a composição da diretoria executiva da CUT-SP para o próximo quadriênio:

Presidente: Douglas Izzo (Educação)
Vice-Presidente: Luiz Cláudio Marcolino  (Financeiro)
Secretário-Geral: João Vicente Silva Cayres (Metalúrgicos)
Secretário de Administração e Finanças: Renato Zulato (Químicos)
Secretário de Comunicação: Belmiro Aparecido Moreira (Financeiro)
Secretária de Combate ao Racismo: Rosana Aparecida da Silva (Educação)
Secretária de Formação: Telma Aparecida Andrade Victor (Educação)
Secretária da Juventude: Priscila dos Passos Silva (Metalúrgicos)
Secretário de Saúde do Trabalhador: José Freire da Silva (Químicos)
Secretária da Mulher Trabalhadora: Marcia Viana (Vestuário)
Secretária de Políticas Sociais: Kelly Benedita Domingos (Comércio e Serviços)
Secretário de Relações do Trabalho: Vagner Menezes (Transporte)
Secretária de Meio Ambiente: Solange Cristina Ribeiro (Municipais)
Secretário de Organização e Política Sindical: Hélcio Marcelino (Seguridade Social)
Secretária de Mobilização: Joyce Jaqueline (Transporte)
Secretária de Assuntos Jurídicos: Vivian Alves Martins (Municipais)
Secretário de Cultura: Carlos Fábio (Urbanitários)
Secretária Executiva: Juliana Salles de Carvalho (Seguridade Social)

Direção Plena

Alexandre Gerolamo de Almeida (Comércio e Serviços)
Aline Maria (Financeiro)
Almir Rogério (Seguridade Social)
Auzélio Pereira Alves (Químicos)
Cátia Aparecida (Seguridade Social)
Cleide Maria de Jesus de Almeida (Educação)
Edinaldo Ferreira (Metalúrgicos)
Inês Granada (Serviço Público Federal)
Marcelo Ferreira dos Santos (Construção Civil)
Ivone Silva (Financeiro)
João Nazaré (Educação)
José Justino Desidério Filho (FAF)
Luciano do Nascimento (Municipais)
Mercia Silva Rodrigues (Metalúrgicos)
Nilcéa Fleury (Educação)
Roseli Aparecida de Souza (Municipais)
Rosana Gazzola (Urbanitários)
Sergio Ricardo Antiqueira (Municipais)