MENU

Demissões na Gerdau: Sindicato conquista acordo de indenização aos trabalhadores

Publicado: 15 Fevereiro, 2024 - 16h11 | Última modificação: 16 Fevereiro, 2024 - 11h35

Escrito por: Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba

Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba
notice
No mesmo dia que a Gerdau, em Pindamonhangaba (SP), anunciou demissões, em 14 de fevereiro, os trabalhadores iniciaram uma paralisação no turno da madrugada, que ganhou adesão dos que chegaram para o turno da manhã. Há um ano, a empresa anunciou a intenção de cortes alegando queda na produção. Desde então, o Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba iniciou uma mesa de negociação.
 
Nas primeiras reuniões, a empresa afirmava que o excedente de mão de obra era de 400 funcionários. Inicialmente, foi possível administrar a baixa demanda no setor de Construção Mecânica com o acordo de banco de horas firmado com o Sindicato e férias individuais. Após isso foi negociado um acordo de layoff, com duração de 5 meses, que se encerrou nesta quarta-feira. Inicialmente o layoff era para 220 funcionários, foi possível reduzir para 178, e com condições favoráveis para os trabalhadores.
 
Em nova reunião com o Sindicato, nesta quinta, 15 de fevereiro, a empresa continuou irredutível em não aplicar uma nova etapa de layoff. E, infelizmente, não foi possível reverter as demissões. Mas houve avanço, o acordo contempla o pagamento de 5 parcelas no mesmo valor do seguro-desemprego, mais uma indenização de R$ 3.000. O acordo também prevê garantia de emprego por 3 meses aos demais trabalhadores.
 
Para o presidente do Sindicato, André Oliveira, apesar da dificuldade do momento, o acordo representa um avanço na negociação.
 
"Cada emprego é importante. Foi um avanço diante do cenário. A situação é crítica. Conseguimos segurar esses empregos por um ano com vários acordos. Lá atrás a empresa já falava de um excedente de 400 pessoas. A produção piorou e havia ainda o medo de novas levas de demissões e essa garantia de emprego foi um avanço nesse sentido", disse.