MENU

CUT-SP repudia mortes em operação policial na Baixada Santista

Publicado: 18 Março, 2024 - 13h47

Escrito por: CUT São Paulo

notice

A Diretoria Executiva da CUT-SP (Central Única dos Trabalhadores Estadual São Paulo) repudia as operações Escudo e Verão, que estão em condução pelas forças estaduais de segurança pública nas cidades da Região Metropolitana da Baixada Santista. 

Entre julho e setembro de 2023, somente a Operação Escudo resultou em 28 mortes, enquanto que a Operação Verão, iniciada em dezembro, já vitimou 47 pessoas nas ações policiais, bem como as incontáveis denúncias de abusos, execuções sumárias e tortura. De acordo com o site G1, das 39 pessoas mortas pela Polícia Militar paulista até fevereiro, 27 eram negras. 

Ao ser questionado pela imprensa sobre as denúncias de abusos na Operação Verão, encaminhadas à ONU (Organização das Nações Unidas), o govenador Tarcísio de Freitas (ainda no Republicanos) foi taxativo ao afirmar que não estava “nem aí”. “Pode ir na ONU, na Liga da Justiça, no raio que o parta", disse. 

Uma fala irresponsável que se assemelha a uma licença para práticas violentas. Como consequência, após essa fala, a polícia matou 14 pessoas entre os dias 9 e 13 de março. 

Um verdadeiro genocida da população negra, pobre e periférica da Baixada Santista, já que, entre os mortos, há inocentes, jovens trabalhadores. Não podemos aceitar argumentos que classificam como um dano colateral, pois pôr fim a uma via é algo irreparável. 

Diante da situação, a Ouvidoria Geral das Polícias de São Paulo, acompanhada de outras entidades civis, foram ouvir os moradores nas comunidades afetadas, quando ouviram diversas denúncias de ameaças e invasões em residências. 

Já a Defensoria Pública de São Paulo, ao analisar boletins de ocorrência de alguns casos, apontou em alguns deles, a falta de preservação do local dos fatos. Em fevereiro, a Defensoria já havia pedido o fim da operação policial na região e a volta da obrigatoriedade do uso de câmeras corporais pelos policiais militares. 

Cabe lembrar que as ações policiais com resultados letais foram intensificadas após a morte de policiais militares, se assemelhando a uma ação de vingança que, entre as vítimas dessa matança, estão moradores de comunidades periféricas das cidades da Baixada. 

Mesmo diante da situação, no último sábado (9), representantes da Polícia Militar e um grupo deputados estaduais bolsonaristas promoveram um ato em apoio às operações. Manifestação que merece toda a nossa repulsa. 

Nós, da CUT-SP, defendemos a vida e o respeito aos direitos humanos, à justiça, o fim do genocídio da juventude e da população negra e periférica. Jamais vamos compactuar com as ações violentas que resultem na morte de inocentes. 

Por tudo isso, nos somamos às outras entidades para exigir o cessar-fogo imediato no litoral paulista, reforçando o pedido pelo fim da operação policial. Basta de mortes violentas! 

São Paulo, 15 de março de 2023. 

Executiva da CUT São Paulo