• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

CUT-SP lamenta a morte de Genilda Bernardes, ex-dirigente da Central

Companheira estava como presidenta do PT Guarulhos e foi a primeira mulher a presidir o Sindicato dos Servidores Municipais de Presidente Prudente

Publicado: 12 Maio, 2021 - 14h22 | Última modificação: 12 Maio, 2021 - 14h26

Escrito por: CUT São Paulo

Reprodução
notice

A Central Única dos Trabalhadores de São Paulo recebe com muita tristeza a notícia da morte de Genilda Bernardes, aos 58 anos, ocorrida na última terça, 11 de maio, vítima de uma parada cardíaca.

Genilda era a atual presidenta do PT em Guarulhos (SP), além de ex-vereadora e ex-secretária de Assistência Social na cidade.

Nascida em Alfredo Marcondes, no interior do estado, foi em Presidente Prudente que a dirigente iniciou sua trajetória política. Na região, era professora na educação infantil, filiando-se ao Partido dos Trabalhadores em 1991. Na luta pelos direitos da classe trabalhadora, foi eleita em 1995 a primeira mulher a presidir o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Presidente Prudente e Região (Sintrapp), onde permaneceu até 2000.

Nesse período, também assumiu a coordenação da subsede da CUT-SP em Presidente Prudente (1996-2002), colaborando no fortalecimento dos sindicatos CUTistas na região e participando de importantes momentos da Central. Também esteve na direção da Federação dos Trabalhadores no Serviço Publico Municipal (Fetam).

Já na gestão pública, Genilda foi suplente de vereador em Presidente Prudente em 1998 e vereadora de Guarulhos por dois mandatos, encerrando o último no ano de 2020. Ela também desempenhou funções de chefia e gestão de políticas públicas nas secretarias de Educação, Esportes e Trabalho. Em 2009, foi nomeada para o cargo de coordenadora do Fundo Social de Solidariedade e, em 2013, foi nomeada para ser secretária de Desenvolvimento e Assistência Social na gestão do então prefeito Sebastião Almeida.

Na Câmara Municipal, enquanto vereadora, foi a responsável pela Lei que criou a Casa Abrigo para mulheres vítimas de violência em Guarulhos e teve sua vida política sempre voltada à defesa e a manutenção dos direitos das mulheres e à educação.

Neste momento de luto, a CUT-SP se solidariza com familiares e amigos.

São Paulo, 12 de maio de 2021

Direção Executiva da CUT-SP