MENU

CUT-SP é contra a privatização e as demissões dos metroviários

Publicado: 26 Outubro, 2023 - 13h36 | Última modificação: 26 Outubro, 2023 - 15h56

Escrito por: CUT São Paulo

Divulgação
notice

A Central Única dos Trabalhadores de São Paulo (CUT-SP) expressa seu veemente repúdio às demissões dos metroviários, decorrente da paralisação em 12 de outubro. Solidarizamo-nos com esses trabalhadores e reiteramos nosso compromisso em defender os direitos e garantias da classe trabalhadora.

Ao longo de sua história, a CUT tem lutado incansavelmente em defesa das empresas estatais, e reitera que continuará engajada nessa batalha crucial. A CUT-SP está presente em todas as atividades e protestos em apoio à categoria metroviária. Além disso, estamos ativamente engajados na coleta de votos do Plebiscito Popular Contra as Privatizações da Sabesp, Metrô e CPTM.

Cobramos, de forma urgente, a revogação das demissões dos metroviários por parte do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos). Repudiamos as ações do governo estadual que persistem na direção de um projeto de privatização das empresas públicas de São Paulo, uma medida que prejudica não apenas os trabalhadores e trabalhadoras, mas toda a população paulista.

Sabe-se até o momento de 5 demissões e 4 afastamentos em apuração por falta grave. Incluindo o vice-presidente do sindicato e dois dirigentes. Isso representa uma perseguição aos trabalhadores que fizeram greve por direitos. Além disso, é importante ressaltar que as demissões estão sendo questionadas por diversos setores da sociedade civil.

A CUT-SP reafirma seu compromisso inabalável em defender os direitos dos trabalhadores e se manterá ativa na luta por um ambiente de trabalho justo e equitativo para todos e todas. Juntos, continuaremos a defender incansavelmente as nossas empresas públicas e estatais e os interesses da classe trabalhadora e da sociedade como um todo.

São Paulo, 26 de outubro de 2023
Raimundo Suzart, presidente da CUT-SP