• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Companhia de energia é campeã em práticas antissindicais, denuncia Sinergia

Em retaliação à luta dos trabalhadores e do sindicato em busca de um melhor Acordo Coletivo de Trabalho na campanha salarial 2019, empresa promove demissões, inclusive de dirigente e de representante sindical

Publicado: 26 Setembro, 2019 - 11h26 | Última modificação: 26 Setembro, 2019 - 11h32

Escrito por: CUT Nacional

Bira Dantas - Reprodução
notice

A Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP), a melhor empresa do setor elétrico brasileiro em termos de ganho e lucratividade no último período, é também a campeã em práticas antissindicais, denuncia o Sindicato dos Energéticos do Estado de São Paulo (Sinergia-CUT).

Além de dificultar a relação com os trabalhadores e seus representantes sindicais para impedir avanços no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) na campanha salarial deste ano, a Companhia está demitindo dirigentes sindicais e trabalhadores, afirma a direção do Sinergia-CUT.

Em menos de 48 horas, o departamento de Recursos Humanos da CTEEP,  demitiu um diretor e um representante sindical do Sinergia-CUT. A empresa também demitiu vários trabalhadores nas últimas semanas, afetando a qualidade dos serviços prestados à população que vem pagando caro pela energia elétrica.

Só a luta te garante!

Mas isso não ficará assim, diz o presidente do Sinergia Campinas, Carlos Alberto Alves, que prometeu tomar providências e convocou todos os dirigentes de sindicato da categoria a unir forças nesta luta.

“A direção do Sinergia tomará todas as providências necessárias para reparar e reverter essas demissões e injustiças”, afirmou Carlos Alberto Alves, que conclamou todas as entidades sindicais que representam os trabalhadores da CTEEP a unirem forças e demonstrarem sua insatisfação contra as práticas antissindicais da CTEEP.

“Parafraseando o revolucionário Che Guevara: ‘Sejamos o pesadelo dos que querem roubar nossos sonhos’. Assim seremos”, concluiu o dirigente.

Com apoio de Débora Piloni, da Área de Comunicação Sinergia CUT