• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Brasil Atual
MENU

Campanha Salarial jornais e revistas do interior: categoria recusa proposta patronal

Jornalistas do interior, litoral e Grande São Paulo não aceitam proposta patronal e apresentam contraproposta

Publicado: 10 Novembro, 2020 - 09h22 | Última modificação: 10 Novembro, 2020 - 09h27

Escrito por: Sindicato dos Jornalistas de São Paulo

Reprodução
notice

Em assembleia realizada dia 4 de novembro em dois horários, jornalistas do interior, litoral e Grande São Paulo por unanimidade recusaram a esdrúxula proposta patronal de reajuste zero e retirada da PLR da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) e apresentaram a seguinte contraproposta que foi enviada ao sindicato patronal:

* Com relação às cláusulas econômicas, reajuste de 2,05% (inflação) (dois vírgula zero cinco por cento) mais 1,5% (um e meio por cento) de aumento real;

* Manutenção da PLR no valor de R$ 1.051,81 (Hum mil e cinquenta e um reais e oitenta e um centavos) tendo em vista que houve enxugamento na maioria das redações e os jornalistas que permaneceram ficaram sobrecarregados de trabalho;

Nesse período de pandemia intensificou-se o teletrabalho ou home office, portanto, a categoria decidiu que essa nova modalidade de trabalho seja incluída na CCT e, ainda sejam mantidas as demais cláusulas sociais.

A categoria reiterou em assembleia que seja marcada para o mais breve possível reuniões de negociação via teleconferência.

Ao término da assembleia a categoria resolveu por unanimidade enviar à Editora Abril moção solicitando a manutenção da liberação sindical do presidente do Sindicato, Paulo Zocchi, sem prejuízo de seus vencimentos. Veja abaixo o texto na íntegra

À Editora Abril

A assembleia geral extraordinária de jornalistas do interior e litoral de São Paulo, convocada pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e realizada em 4 de novembro de 2020, às 12 e às 19 horas, aprovou por unanimidade a posição de que a Editora Abril deve manter a liberação sindical sem prejuízo de vencimentos do presidente do SJSP, Paulo Zocchi, por entender que o rompimento do acordo é uma retaliação ao trabalho do Sindicato, um ataque à organização da categoria e uma ameaça à liberdade e autonomia sindical.

#AbrilRespeiteoSindicato